quarta-feira, 20 de maio de 2009

Conto

Enquanto o senhor feudal mineiro chora ao se sentir injustiçado por construir teu castelo e sonegar esta pequena construção, e o bôbo da corte reintera que não se arrepende de se lixar para a população do imperio, um integro senhor portador da justiça convoca um ministro a se declarar por suposta apologia ao crime, crime este sendo a participação em passeata para uma falsa legalização de uma certa folhinha indigena.
Ora, folhinha esta ja legalizada e utilizada pelo baixo clero que é crimilazida pelo uso da mesma, sendo esta,a meu ver, possuidora do mesmo poder alucinogeno e/ou criminoso socialmente do que uma bebida alcoolica,todavia sempre que tal debate reaparece logo senhores honrrosos da justiça fazem questão de alguma forma diferenciar por um motivo que desconheço, pois a alegação de saúde publica e segurança não se sustenta ja que tanto a folinha como o liquido são causadores de modificações psiquicas.
Sendo assim, como foi feito com o liquido a tempos atraz, a discriminação e a legalização da tal folinha seria a principal via do combate a nuclear maleza cometida pela mesma, que é o teu comercio, feito de forma negra(ou de forma afrodescendente como queiram os politicamente corretos, mas isso é um outro debate) e justamente por não ser legal abre margem para que seus comerciantes criem leis e formas de execução destas leis de ação paralela as regentes em nosso feudo e isso sim é a parte criminal de toda esta discursão, pois o conflito de codigos de leis em uma sociedade é o que gera insegurança.
Desta forma senhores recomendo-lhes que atentem-se para casos mais importantes, como a separação racial que estar por vir por conta de medidas de igauldade extremamente separatistas e atentem-se de que tal discrepancia em divisões de rendas no feudo,pois mais cedo ou mais tarde causa revolta, e como em todo imperio discrepante um dia o baixo clero se rebela e as baixas infelizmente serão necessarias.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Apenas

posso me apegar a uma tradiçao onde é afirmada, quase como regra, a estranhesa de todo pensador, mas isso seria muito longo para mim, ja que estes louros são todos póstumos, desta forma prefiro manter a minha,também, tradicional postura pessimista que muitos colocam como sem razão com o velho e conhecido verso de que; -você jovem,cheio de vida com saude porque reclama tanto!?!.
Como se o fato de ser"saudavel" fosse algo especial e que a juventude fosse eterna, não quero, não vou e não seguirei de forma total a luz, ate porque, mesmo ela brilhante e limpida nos cega, sendo a maior hipocrisia falar da hipocrisia quando você cita a mesma no seguinte contexto;" -bla bla bla... eu estaria sendo hipocrita se falasse que sim ou que nao..." cala a boca!!! ja estas sendo, pelo simples fato de usar a expressão como acessorio de uma suposta humildade que tenha, pois só há duas vias, e antes que fale, sim estou sendo maniqueista e não, não tenho nada contra o Sartre, todavia em meu pesamento não há possibilidades acerca do sim e do não.
De alguma forma você dirá, e este você, pode realmente ser você ou simplismente eu me colocando em segunda voz, para de forma ilusoria afirmar uma reflexão e assim configurar um pensamento, mas não poderia este pensamento estar configurado na minha primeira reflexão onde afirmo meu pessimismo como pessimismo puro e não como somente mais uma reclamação?
Para mim sim, mas você,e agora este você é o mundo, dirá que não pois é muito mais facil e menos incomodo ignorar toda e qualquer mazela inerente a raça humana se apegando a beleza natural, não que não haja,mas a beleza da natureza é tao bela quanto a nossa ja que de forma essencial estamos contidos nela, ou apegando-se a algo metafisico, sendo a metafisica algo, como o proprio nome diz, alem da fisica, mesmo assim sendo criado e idolatrado por algo fisico para justificar a criação da propria fisica.
Destarte prefiro eu então continuar com o meu pessimismo realista, não morbido, apenas pessimista, doque criar a ilusão para explicar a realidade e desta forma me isentar de qualquer culpa ou mazela,negando qualquer premiação para validar uma humildade qualquer, pois esta mesma humildade que nega a premiação é exaltada como premio e assim volta a ser lembrado no quão bom você foi em um momento postumo.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Incompleto

De qualquer modo não consigo de fato compreender toda esta oscilação, não sei ao certo,porem as vezes ate parece que seja uma questão de conhecimento,mas sim, qual tipo de conhecimento? Acadêmico? De vida? Também não me é claro, pois o mais fácil sim seria dizer que uma falta de conhecimento acadêmico é algo terrível para uma convivência,todavia vem de encontro os que possuem todo aquele conhecimento acadêmico e que não dizem nada, claro que tudo isso possa ser apenas uma mera especulação de um incomodo pessoal, mas o que se mostra na real é que de um modo geral todo este incomodo acerca de detalhes de caráter comportamental não afeta a todos, e daí vem, por que me afeta? De primeira resposta certamente ouvirei... porque todos nós somos diferentes, porem não acredito que algo tão entranhado em um contexto social seja culpa unicamente da diferença de apreensão de cada ser.
Então percebo algo muito incoerente entre a informação que a tua formação lhe passa e a tua formação em si, mais uma vez ouvirei as mesmas vozes dizendo... isto é natural,estão na idade de não se preocupar e de não se prender a nada profundamente... mas quando é a hora? Então a mesma “regra” que define a diferença como culpada da indiferença sentida, define também o tempo de maturação exato para cada um, não podendo assim haver maduros que não se sintam com responsabilidade de algo ou os não maduros incomodados com estes detalhes ditos apenas pertencentes aos maduros?
Aqui não estará a resposta para a pergunta anterior, pois se a tivesse não faria sentido escrever todas estas indagações,entretanto aqui estão presentes todas as respostas que eu possa fornecer acerca do assunto abordado pois ainda não entendo essencialmente a diferença ou igualdades entre os grupos mas lhe afirmo não fazer parte de nenhum,todavia não leia tal afirmação como algo positivo também não negativo, apenas um dizer.